Renato Silva - Outbound Marketing

Superstorm Entrevista: Renato Silva

Pessoal, hoje o nosso Superstorm Entrevista é com Renato Ferreira, Co-fundador da Outbound Marketing.

Um jovem talento, que já tem uma grande experiência profissional com marketing e startups.

Agora, vamos conhecer mais sobre o Renato!

1 – Renato, você é co-fundador da Outbound Marketing, como foi o início de tudo?

Tudo começou quando eu e o Vinícius, enquanto trabalhávamos na área de marketing e vendas de uma startup em BH percebemos que não havia grande variedade de conteúdo de qualidade sobre Outbound em Português.

Muito do que começamos a fazer era baseado em livros e artigos feitos no EUA, mas assim que começamos a implementar os processos aqui no Brasil, percebemos que por questões culturais, era necessário readaptar o que eles realizavam lá para nosso cenário.

E enquanto implementávamos o processo, em conversa com outros empreendedores, percebemos que havia bastante demanda por conteúdo de qualidade sobre Outbound.

Baseado nisso, começamos a estruturar o blog de forma despretensiosa até. Mas rapidamente surgiram interessados em implementar o Outbound moderno em suas Startups. Dessa forma que surgiu a Outbound Marketing como consultoria.

2 – Quais são as soluções que a Outbound Marketing oferece?

Hoje vendemos consultoria completa nos processos de Outbound e Inbound Marketing para grandes Startups e empresas consolidadas. Começamos realizando um diagnóstico do mercado, produto e processo que o cliente possui. Depois implementamos as melhorias necessárias e acompanhamos o resultado por todo um ciclo de vendas.

Já para pequenas Startups e PMEs que estão começando, nos oferecemos um plano de acompanhamento e mentoria, onde nos direcionamos os esforços do empreendedor, já que sabemos das dificuldades para estruturar uma área comercial do zero e sem o conhecimento necessário. Esse plano inclusive, foi uma forma que encontramos para devolver ao ecossistema empreendedor um pouco do que recebemos, já que o preço é bem menor do que a média praticada no mercado.

3 – Como era sua vida profissional antes da Outbound Marketing?

Antes da Outbound Marketing tive algumas experiências variadas. Trabalhei na área de planejamento de engenharia assim que terminei o 3º ano do ensino médio. Como não gostei da função desempenhada, resolvi mudar totalmente o rumo da minha carreira.

Comecei a cursar economia e trabalhei por 6 meses na Ibmex, consultoria jr do IBMEC. Depois fui trabalhar para o Vinícius, que hoje é meu sócio, na Startup que ele possuía e foi aprovada na 1ª turma do SEED, a TAO Sales.

Após isso, fui para a Samba Tech ajudar a desenhar o processo de Inteligência Comercial e depois de um tempo assumi a área de Outbound. Foi um grande aprendizado para mim gerenciar uma equipe e estruturar e implementar um processo, ainda mais pela pouca idade na época, estava com 21 anos. Tive a oportunidade de assumir grande responsabilidade, foi uma escola para mim, sem dúvida alguma!

4 – Vamos falar sobre startups. Qual a sua opinião sobre o ecossistema de startups no Brasil?

O ecossistema é muito bacana, os empreendedores se ajudam bastante e a troca de informação é muito fácil. Acredito que um dos incentivos para isso acontecer, infelizmente, são as dificuldades que o governo impõe ao empreendedor.

Como todo empreendedor que possui uma startup de sucesso já passou pelas dificuldades iniciais, como abrir um CNPJ, arcar com pesados encargos trabalhistas e complexo sistema tributário, é comum eles ajudarem os que estão começando a não perder o foco, já que fatores para desistir não faltam.

5 – Ainda falando sobre startups, você acredita que o Brasil ainda está muito atrás de outros países em relação aceleradoras, investidores e incubadoras?

Acredito que sim. Mas não credito esse atraso a esses agentes. O clima para fazer negócios no Brasil é muito ruim, com o grau de incerteza bastante elevado.

Investidores, aceleradoras e incubadoras precisam ter o mínimo de estabilidade macro e microeconomica para assumir riscos (que já são elevados). Como no Brasil, nunca se sabe quando pode surgir uma nova regulação, tributo e etc, o risco é ainda mais elevado, os incentivando apenas a investir em ideias já consolidadas. E isso é ruim, pois diminui a possibilidade de surgir algo disruptivo no Brasil.

O SEED por exemplo é o maior case do elevado grau de incerteza que vivemos atualmente!

6 – Você é um empreendedor, e claro, já deve ter tido muitas ideias ao longo da sua jornada. O que faz uma ideia se tornar um sucesso na prática?

Na prática, acredito que o maior diferencial para uma ideia se tornar sucesso é a capacidade de execução do empreendedor e possuir o direcionamento correto, além é claro, da ideia possuir market fit (aderência no mercado).

É muito comum ver ideias boas sucumbindo a uma execução falha ou uma boa execução de algo não tão bom. Acredito que casando market fit, execução a um bom direcionamento, é muito difícil não obter sucesso.

7 – Marketing como despesa x Marketing como investimento. Como você enxerga isso, diante da crise vivida no mercado?

O Marketing se não tiver o direcionamento correto, pode sim ser despesa para a empresa. A abordagem tradicional, além de não possuir métricas claras, não é pautada no retorno sobre o investimento direto, já que é difícil medir o retorno de ações na TV, jornal e etc.

Uma das vantagens que surgiram com a Internet, foi a possibilidade de realizar a prospecção de forma passiva (Inbound Marketing), através do marketing de conteúdo e ferramentas de automação de marketing, o que possibilitou PMEs atingir um público maior.

Tanto o Outbound moderno, que é metrificado e segmentado, quanto o Inbound, são investimentos, já que geram retorno para as empresas em novas receitas!

8 – Qual dica você pode dar ao empreendedor que está dando os primeiros passos no mercado digital? Em quais processos ele deve ter uma atenção redobrada?

Acredito que ele deve ter atenção especial com suas estratégias de Marketing e Vendas. Uma boa idéia sem um discurso de vendas e divulgação adequada, pode acabar morrendo na praia!

9 – O que te motiva?

Atingir os meus resultados e fazer a diferença para meus clientes!  Quando se possui um negócio que vende um serviço de consultoria, a maior motivação possível é gerar retorno para seu cliente.

Outra coisa é aprender um pouco mais a cada dia. Acredito que nunca podemos ficar estagnados, todo dia temos que estar pelo menos 1% melhor que ontem!

10 – Qual a sua expectativa sobre o crescimento do outbound marketing no Brasil?

Atualmente as expectativas são ótimas! Com a crise, as empresas podem atuar em duas frentes: vendendo mais e de forma eficiente ou cortando custos.

Como atuamos nas duas frentes, a demanda tem sido alta, bem além das nossas expectativas inicias!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.