Marketing vs Digital

Marketing vs Digital

Olá amigos, Let’s Vamos!

Está aí uma das principais batalhas travadas em todos os âmbitos da comunicação, principalmente em se tratando de Marketing e Digital. Antes de discutirmos a fundo, seria importante entendermos a origem prática responsável por esse termo “Marketing Digital”.

Recordando um pouco, mais ou menos há 10 anos atrás, não tínhamos internet em todos os devices (aparelhos) e muito menos Agências Digitais, em sua maioria produtoras de software e/ou web, normalmente constituídas por dois tipos de profissionais, engenheiros e/ou publicitários.

Claro que a grande maioria eram de fato programadores, faziam o seu papel muito bem, sem se preocupar nem um pouco com os resultados comerciais que o seu trabalho traria para os clientes do seu cliente, desenvolviam sites web como quem produz um escapamento para carros, ou seja, sites eram feitos para atender as especificações do IE (internet explorer) e, na época o xodó da web, o navegador FireFox – pois é, o ponto mais alto de um site era funcionar perfeitamente em todos os navegadores.

Resumindo, os trabalhos das produtoras eram orientados a máquinas e não a pessoas.

Com o passar do tempo, velhos conceitos da comunicação e do marketing tradicional foram se confrontando entre as diferentes diretrizes e métricas aplicadas instintivamente pelos primeiros aventureiros na comunicação online (ex. os mídias), após a compra da doubleclick em 2007 pelo Google, começamos a viver a primeira era de mídia de Performance,  principalmente com o lançamento do Google Adwords e do Google Analytics.

Iniciamos aqui os primeiros conflitos entre o marketing e digital, nunca antes na comunicação foi possível ter tal precisão, o conceito dos anúncios da Google simplesmente mostravam-se extremamente baratos e muito lucrativos, exatamente por isso os trabalhos e a corrida para as primeiras páginas do Google começaram ali, micro e pequenas empresas descobriram rapidamente as vantagens dos buscadores e perceberam que o investimento cabia no caixa.

Bum! Todas as empresas, como em uma corrente, começaram a testar e entender que a internet funciona e era sim muito barata. Em meados de 2008, as grandes empresas perceberam que alguns dos seus distribuidores e revendedores estavam crescendo rapidamente através da internet e começaram a se preparar para entrar no mercado online de forma contundente!

É nesse momento que as crises de identidade começaram: Produtoras ou Agências? Marketing online ou off-line? Quem depende de quem? Agências de Site ou de Anúncios? Rede Social é mídia?

Todas essas e muitas outras dúvidas começaram a colocar em cheque as produtoras web, que antes nunca haviam se preocupado com o resultado comercial dos seus clientes e também incomodaram muito os dinossauros de Marketing, que se viram obrigados a renovar e reciclar os seus conhecimentos na web.

Está instituída a PROCRASTINAÇÃO DIGITAL.

Com isso, produtoras web começaram a se interessar por mídias, autointitulando-se Agência Digital que praticava o Marketing! Qual marketing?

O Digital é claro! Porém, suas raízes cravadas nos conceitos de produtora impedem um bom trabalho, por falta de conhecimento em comunicação.

Eis que surgem os primeiros ditos GURUS, pessoas com pouco ou nenhum caso de sucesso prático nas mãos, porém com um pouco de conhecimento em comunicação, comercial, ferramentas e um faro muito apurado para novas oportunidades, que começam a escrever livros e dar palestras sobre as próprias ferramentas, clarificando um pouco a realidade até então obscura, tanto para as produtoras quanto para os gerentes de marketing.

Inicia-se então uma batalha épica, produtoras viram Agência de Comunicação e Agências de Comunicação criam seus departamentos web. Claro que isso não poderia dar muito certo na maioria dos casos, pois muitas agências de comunicação tradicional eram tão leigas e inexperientes quanto os seus próprios clientes, normalmente gerentes de marketing, que clamavam por ajuda dessas mesmas agências para criarem uma solução digital, pois precisavam fazer alguma ação junto à corporação que representavam.

Grandes sites e portais começaram a ser criados, todos com o foco de atender às diretrizes SEO (search engine optimization) propostas pelos buscadores, Agências de Comunicação Tradicional começaram a terceirizar serviços ou contratar estagiários para resolver o problema.

Já as Produtoras, agora com vestimenta de Agências de Marketing Digital, começaram a disputar as grandes contas com as agências tradicionais e, ao perceber esse movimento, agências tradicionais criaram extensões de sua marca, ou seja, criaram uma nova agência de comunicação, porém agora 100% online.

Tudo novo, de novo?! O mercado começou a tomar um corpo profissional e o Marketing deixou de ser digital para ser Online.

Percebe-se que a discussão entre meios é uma grande perda de tempo, pois discutir qual o melhor marketing é uma bobagem, é como se adotássemos o Marketing Impresso, Marketing Televisivo, Marketing de Rádio e quiséssemos provar que um é melhor que o outro.

São apenas meios de comunicação, que podem e devem ser utilizados de forma inteligente e assertiva dentro do planejamento de comunicação das empresas.

Entender que na ponta de qualquer meio estará um veículo, e na ponta de qualquer veículo estará sempre o seu público alvo. A diferença sempre será apenas o tipo de interação e intenção da ação promovida entre o meio e cliente.

Logo, isso nos leva a pensar que a internet não é um meio, ela é uma comunidade mundial organizada.  Assim, dentro do mercado online, ou mercado da internet, teremos meios e veículos próprios.

Exemplos:

Meio Google:  Seus Veículos: Links Patrocinados, Rede de Display, Google Shopping etc.

Meio Portais: Seus Veículos: Terra, Uol, G1, Info etc.

Meio Facebook: Seus Veículos: Facebook Ads, Impulsionamento de post, Divulgação da Página etc.

Portanto, não adianta reinventar a roda, pois o Marketing será sempre marketing, o conceito já foi construído durante mais de 70 anos, basta adaptarmos a tecnologia para a comunicação e não o contrário.

Pois é, marketing digital existe?

1 comentário em “Marketing vs Digital”

  1. É isso aí, Rodrigo. Parabéns pelo artigo. Marketing é marketing. É o estudo do mercado. Profissional de marketing é aquele que sabe Analisar, diagnosticar e agir em relação ao mercado, normalmente um profissional generalista. Suas sub denominações são ferramentas e os profissionais que conhecem melhor essa ou aquela ferramenta são especialistas. Mande notícias quando escrever o próximo artigo. Sucesso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.